• Ana Luiza Santos e Edgar Jacobs

Como se aplicam as alterações de grade curricular em cursos de graduação

Em 2018 a Secretaria de Regulação e Supervisão da Educação Superior (SERES) solicitou que o Conselho Nacional de Educação (CNE) se pronunciasse sobre:


  • a existência (ou não) de diferença entre situações de mudanças de grade curricular de menor monta e substanciais e eventual necessidade de aplicação de regras e procedimentos diferenciados para cada uma das situações;

  • a necessidade de preservar a grade curricular de ingresso do aluno quando da ocorrência de alteração de menor monta ou substanciais de grade durante o curso;

  • em caso positivo, das hipóteses de existência de dever da IES de preservar a grade curricular antiga, facultando ao aluno optar pela grade antiga ou nova grade curricular;

  • e, também caso positivo, quais seriam os demais deveres da IES e as condições para sua exigência.


À época, o relator da consulta – apoiado à unanimidade por seus pares - dispôs que as IES têm autonomia para definir e alterar a grade curricular do curso, devendo a alteração ser aprovada pelo colegiado superior da instituição, observadas as diretrizes curriculares dos cursos aprovadas pelo MEC, com registro em ata.


A base da decisão – que é o PARECER CNE/CES n. 804/2018, e que foi homologado agora, em 09 de julho de 2020 pelo MEC - foi o artigo 53, inciso II, da Lei n. 9.394/96 (LDB), o qual assegura às universidades, no exercício de sua autonomia, fixar os currículos dos seus cursos e programas.


Neste ponto, é importante salientar que o relator se referia às IES, mas se fiou em texto de lei que garante a prerrogativa das universidades para fixação dos currículos, observadas as diretrizes gerais pertinentes.


O texto do parecer também cita o art. 32 da Portaria MEC n. 40, que determina que, após a autorização do curso, a instituição compromete-se a observar, no mínimo, o padrão de qualidade e as condições em que se deu a autorização, as quais serão verificadas por ocasião do reconhecimento e das renovações de reconhecimento.


O artigo 32 da Portaria MEC n.40 continua:


“§ 1º A instituição deverá afixar em local visível junto à Secretaria de alunos, as condições de oferta do curso, informando especificamente o seguinte:
I - ato autorizativo expedido pelo MEC, com a data de publicação no Diário Oficial da União;
II - dirigentes da instituição e coordenador de curso efetivamente em exercício;
III - relação dos professores que integram o corpo docente do curso, com a respectiva formação, titulação e regime de trabalho;
IV- matriz curricular do curso;
V - resultados obtidos nas últimas avaliações realizadas pelo MEC, quando houver;
VI - valor corrente dos encargos financeiros a serem assumidos pelos alunos, incluindo mensalidades, taxas de matrícula e respectivos reajustes e todos os ônus incidentes sobre a atividade educacional.
§ 2º A instituição manterá em página eletrônica própria, e também na biblioteca, para consulta dos alunos ou interessados, registro oficial devidamente atualizado das informações referidas no § 1º, além dos seguintes elementos:
I - projeto pedagógico do curso e componentes curriculares, sua duração, requisitos e critérios de avaliação;
II - conjunto de normas que regem a vida acadêmica, incluídos o Estatuto ou Regimento que instruíram os pedidos de ato autorizativo junto ao MEC;
III - descrição da biblioteca quanto ao seu acervo de livros e periódicos, relacionada à área do curso, política de atualização e informatização, área física disponível e formas de acesso e utilização;
IV - descrição da infraestrutura física destinada ao curso, incluindo laboratórios, equipamentos instalados, infraestrutura de informática e redes de informação.


O porém da citação é que Portaria Normativa nº 40, de 12 de dezembro de 2007, foi expressamente revogada pelas Portarias Normativas n. 22 e 23, ambas de 21 de dezembro de 2017 e, portanto, não poderiam subsidiar a decisão do Conselho.


Enfim, seguindo a interpretação do CNE a respeito da matéria, temos a Nota Técnica n. 793/2015 da SERES, a qual ressalta que a autonomia conferida à IES para definição de grade curricular estende-se também à sua alteração.


Nesse caso, as alterações devem ser aprovadas pelo colegiado superior, assim como também devem ser informadas imediatamente ao público, de modo que se preservem os interesses dos estudantes e da comunidade universitária.


Neste contexto, segundo o Parecer CNE/CES n.804/2018, homologado em 2020, as alterações relevantes dependerão de aditamento e as alterações de menor monta dispensarão pedido de aditamento, devendo, todavia, ser informadas imediatamente ao público.


Mais uma vez a fundamentação se dá pela já revogada Portaria Normativa n.40, de 12 de dezembro de 2007.


Existe direito adquirido em relação à grade curricular?


Outro assunto tratado no Parecer CNE/CES n.804/2018 é se existe direito adquirido dos estudantes em relação à grade curricular. O CNE decidiu que não, ou seja, não é obrigatório que a grade curricular inicialmente proposta mantenha-se inalterável ao longo do curso, conforme prerrogativa conferida pela Súmula 03/92 do Conselho Federal de Educação (CFE).


O Conselho agrega jurisprudência nesse sentido e determina que o aluno não tem direito adquirido a currículo acadêmico de curso de ensino superior, devendo submeter-se às condições e adaptações ditadas pela escola.


Mesmo com as determinações legais, sabemos que implantar novos currículos, com poucas ou muitas modificações, deve acontecer de forma paulatina, facilitando os ajustes tanto para o corpo discente quando para o corpo docente.


Alterar o currículo de forma abrupta provoca estresse em muitos alunos, pode demandar adaptações como aumento de tempo de finalização do curso, novos débitos financeiros e até mudança de turno ou de endereço da oferta de aulas presenciais.


As mudanças súbitas e inesperadas trazidas pela pandemia COVID19 nos escancararam este fato e por mais que a legislação nova alcance as situações em curso e a elas se aplique de imediato, quando se trata de um processo educativo a prudência determina que nada ocorra via “transições bruscas ou modificações traumáticas”, citando aqui trecho da Súmula n.03, do extinto CFE, mencionado no próprio PARECER CNE/CES n. 804/2018.


A respeito da matéria, podemos citar caso concreto ocorrido na Universidade Federal de Roraima, em junho de 2005 (Processo n.º 0009085-40.2009.4.01.4200). A universidade alterou as disciplinas que compõe a grade curricular do curso de Secretariado Executivo. A Defensoria Pública da União, então, ajuizou contra a UFRR ação civil pública para garantir aos alunos matriculados a manutenção da grade curricular antiga.


Este pedido foi procedente, mas não abrangia todos os estudantes, somente os dos últimos semestres. A decisão também foi improcedente em relação ao pedido que solicitava que a Universidade criasse regras de transição para mudança das matérias do curso específico, justamente em razão do artigo 207 da Constituição Federal de 1988, que prevê autonomia didático-administrativa para as universidades.


A Defensoria Pública da União recorreu, mas não obteve êxito integral no TRF1: no caso, a observância da grade curricular anterior foi estendida a todos os estudantes que já frequentavam o curso, mas o pleito pelas regras de transição não foi acatado.


A relatora à época, seguida pelos demais julgadores, reforçou a autonomia das universidades em fazer alterações das grades curriculares dos cursos superiores sem necessidade de criar de regras de transição, mas pontuou a possibilidade de garantir judicialmente a aplicação da grade anterior caso seja comprovado prejuízo para o aluno, como impossibilidade de conclusão do curso no prazo originariamente previsto.


Garantia de direitos ou ingerência judicial na autonomia das universidades?


Fato é que a prudência na modificação da grade curricular, talvez respeitando os ciclos de integralização dos cursos, seja a melhor opção, conciliando interesses e preservando expectativas e direitos.

Gostou deste texto? Faça parte de nossa lista de e-mail para receber regularmente materiais como este, além de notícias e artigos de seu interesse.

Fazendo seu cadastro você também pode receber mais informações sobre nossos cursos: eles oferecem informações atualizadas e metodologias adaptadas aos participantes. Temos cursos regulares, já consagrados, dos quais já participaram mais de 800 profissionais das IES. Também modelamos cursos in company sobre temas gerais, relacionados ao Direito da Educação Superior, ou mais específicos.

Conheça nossas opções e participe de nossas eventos.

87 visualizações

+55  (31)  3241-5149

Rua Padre Marinho, 49 - Conj. 1205

Belo Horizonte - MG - 30140-040

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram