A implementação da Autoridade Nacional de Proteção de Dados

Atualizado: há 2 dias

Com a vigência da Lei Geral de Proteção de Dados restou necessária a implementação da ANPD, que vai atuar como agência reguladora da matéria. Na prática, somente a partir da implementação da agência houve a efetiva aplicação da lei.


A fiscalização e a regulação da LGPD ficarão a cargo da Autoridade Nacional de Proteção de Dados, que atuará principalmente como um órgão a serviço do cidadão, mas também como uma ponte entre a sociedade e o governo, recebendo dúvidas e denúncias relativas à lei.


A ANPD fará as vezes de orientadora e apoiadora dos órgãos de governo e empresas em relação às novas situações trazidas pela norma, orientando, fiscalizando, advertindo e, em último caso, penalizando quem descumpri-la.


No texto do projeto de lei a ANPD tinha natureza de autarquia especial com independência administrativa e decisória, mas acabou sendo definida como órgão da administração direta, sem autonomia financeira, administrativa e hierárquica, vinculada diretamente à Presidência da República.


Contará com o Conselho Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade e o Colegiado, composto por 23 titulares - não remunerados, com mandato de dois anos, e de diferentes setores: seis do Executivo Federal; um do Senado Federal; um da Câmara dos Deputados; um do Conselho Nacional de Justiça; um do Conselho Nacional do Ministério Público; um do Comitê Gestor da Internet no Brasil; quatro da sociedade civil com atuação comprovada em proteção de dados pessoais; quatro de instituição científica, tecnológica e de inovação; e quatro de entidade do setor empresarial ligado à área de tratamento de dados pessoais.


Vamos sistematizar as principais competências da ANPD:

  • Zelar pela proteção de dados pessoais;

  • Fiscalizar e aplicar sanções em caso de descumprimento da LGPD;

  • Tratar de casos de segredos comercial e industrial;

  • Elaborar diretrizes para a Política Nacional de Proteção de Dados Pessoais e da Privacidade;

  • Elaborar estudos sobre as práticas nacionais e internacionais de proteção de dados pessoais e privacidade;

  • Estimular adoção de padrões que facilitem o controle dos titulares sobre seus dados pessoais.


No dia 27 de agosto de 2020, como uma das primeiras medidas relativas, o executivo, via decreto, aprovou a Estrutura Regimental e o Quadro Demonstrativo dos Cargos em Comissão e das Funções de Confiança da Autoridade Nacional de Proteção de Dados e remanejou e transformou cargos em comissão e funções de confiança da Secretaria de Gestão da Secretaria Especial de Desburocratização, Gestão e Governo Digital, do Ministério da Economia, para a ANPD.

Na mesma data foi publicado o regimento que determina o Conselho Diretor do órgão, composto por cinco membros indicados pelo ministro-chefe da Casa Civil e nomeados pelo presidente da República, após aprovação pelo Senado Federal. O mandato dos membros é de quatro anos, prorrogável uma vez, por igual período.

Além do Conselho Diretor e do Colegiado - já mencionados - a ANPD será constituída por órgãos seccionais como Corregedoria, Ouvidoria e Assessoria Jurídica, bem como por órgãos específicos singulares de coordenação.

No dia 15 de outubro mais um capítulo foi vencido. O presidente Jair Bolsonaro indicou cinco nomes, dentre eles três militares, para formar a diretoria da ANPD. As nomeações já foram aprovadas pelo Senado.

Fato que chamou a atenção foi a indicação dos militares. De acordo com a Data Privacy Brasil, apenas Rússia e China têm conselheiros militares em órgãos responsáveis pela proteção de dados e internet. A informação leva em conta as 20 economias mais desenvolvidas do mundo com base no FMI.


Leia todos nossos textos a respeito da Lei Geral de Proteção de Dados

Os indicados por Bolsonaro à Diretoria da ANPD

Waldemar Gonçalves Ortunho Junior – Nomeado para o cargo de Diretor-Presidente do Conselho Diretor da ANPD, com mandato de 6 anos, é coronel reformado do Exército. Presidente da Telebrás desde o início do atual governo, é amigo pessoal do presidente.

Nairane Farias Rabelo Leitão – Nomeada para o cargo de Diretora do Conselho Diretor da ANPD, com mandato de 3 anos, é advogada e única representante do setor privado;


Arthur Pereira Sabbat – Nomeado para o cargo de Diretor do Conselho Diretor da ANPD, com mandato de 5 anos, é tenente-coronel e diretor do Departamento de Segurança da Informação do Gabinete de Segurança Institucional (GSI). Especialista em segurança e estratégia cibernética e de infraestruturas críticas. Foi um dos responsáveis pela elaboração da Instrução Normativa 4, que estabeleceu requisitos mínimos de segurança para o 5G;


Miriam Wimmer – Nomeada para o cargo de Diretora do Conselho, com mandato de 2 anos, o menor prazo concedido entre os cinco profissionais da lista, é doutora em Políticas de Comunicação e Cultura pela Faculdade de Comunicação da UnB, Mestre em Direito Público e graduada em Direito pela UERJ;


Joacil Basílio Real – Nomeado para o cargo de Diretor do Conselho Diretor da ANPD, com mandato de 4 anos. Militar reformado e assessor da presidência da Telebrás, é professor e especialista em segurança de dados, política de segurança, criptografia e compactação de dados.


Formar a diretoria da agência viabiliza o início do debate sobre a atuação do órgão como ente consultivo e fiscalizador. Também possibilita que sejam definidos quais regulamentos deverão ser criados para determinados setores da economia, como ocorreu na Europa.


Como dissemos, a ANPD está ligada ao Governo Federal, mas, segundo a LGPD, como órgão consultivo, ela deve ter independência técnica e decisória. O texto da lei ainda prevê um estudo para a alteração de sua natureza jurídica, que pode virar autarquia daqui a dois anos, o que entendemos ser desejável.

Os indicados foram sabatinados no Senado no dia 19 de outubro e seus nomes já foram oficializados nos seus respectivos cargos no dia 06 de novembro com a publicação do Decreto no Diário Oficial da União. De agora em diante a ANPD já pode passar a operar oficialmente, embora ainda não exista um prédio físico em que a instituição funcionará.

Efetivação da ANPD


Passos importantes vêm sendo dados. Com a constituição definitiva da ANPD, toda a sociedade espera sua atuação para esclarecimentos de diversos temas, como o tratamento de crianças e adolescentes, os requisitos e formas de elaboração dos Relatórios de Impacto, atribuições ao Encarregado e também, por exemplo, procedimentos para a transferência internacional de dados, dentre outras questões relevantes.








Gostou deste texto? Faça parte de nossa lista de e-mail para receber regularmente materiais como este. Fazendo seu cadastro você também pode receber mais informações sobre nossos cursos, que oferecem informações atualizadas e metodologias adaptadas aos participantes. Temos cursos regulares, já consagrados, dos quais já participaram mais de 800 profissionais das IES.


Também modelamos cursos in company sobre temas gerais relacionados ao Direito da Educação Superior, ou mais específicos. Conheça nossas opções e participe de nossos eventos.

30 visualizações

+55  (31)  3241-5149

Rua Padre Marinho, 49 - Conj. 1205

Belo Horizonte - MG - 30140-040

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram