INEP dá início à Avaliação Externa Virtual in Loco

Por meio da Portaria nº 165, de 20 de abril de 2021, o INEP instituiu a Avaliação Externa Virtual in Loco, garantindo que as visitas presenciais ocorram em formato remoto, seguindo o padrão já utilizado, em caráter emergencial e temporário, ou seja, durante a vigência da declaração de emergência de saúde pública de importância internacional em decorrência da pandemia Covid-19.


Leia:


Avaliação in loco do MEC: o novo formato virtual


Pois bem, as avaliações externas virtuais in loco começaram na segunda-feira, 26 de abril, e, ao todo, sete instituições já receberam a visita on-line das comissões de especialistas para avaliação externa. A meta do Instituto até o fim do mês de abril é realizar as primeiras 11 visitas virtuais; outras 5 mil avaliações virtuais são pretendidas até o final de outubro de 2021. Já são mais de 250 avaliações virtuais confirmadas para o mês de maio.


Regulamentação


A Portaria nº 165, de 20 de abril de 2021 (publicada no DOU de 22 de abril), institui a Avaliação Externa Virtual in Loco no âmbito das visitas por comissões de especialistas para avaliação externa de Instituições de Educação Superior e cursos de graduação, no âmbito do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (SINAES), e da avaliação das Escolas de Governo.


Por sua vez, a Portaria n.º 183/2021, publicada no DOU de 26 de abril, regulamenta o disposto na Portaria 165, tratando da forma que a avaliação virtual será realizada (videoconferência), do envio e/ou apresentação de documentos para os avaliadores, da confirmação da localização da instituição, da capacitação dos avaliadores, das gravações da avaliação, entre outros procedimentos. A portaria também disponibiliza termos de responsabilidade nos anexos.


Avaliadores credenciados/capacitados


A Diretoria de Avaliação da Educação Superior (Daes) do Inep, por meio da Coordenação-Geral de Avaliação de Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior (CGACGIES), comunicou ter iniciado, no dia 13 de abril, a capacitação da primeira turma de avaliadores credenciados/capacitados nos instrumentos de avaliação de cursos e de instituições para realizar as avaliações externas virtuais in loco. Esta primeira turma foi responsável pelas avaliações realizadas entre os dias 26 e 29 de abril de 2021.


Mais 800 avaliadores terão sido capacitados até a primeira semana de maio e estão previstas mais sete capacitações nessa nova modalidade de avaliação para o primeiro semestre de 2021, totalizando cerca de 8.000 avaliadores.


Ainda de acordo com o instituto, as convocações das turmas para capacitação serão realizadas conforme as demandas do fluxo avaliativo e serão ministradas a distância, com duração de 16 horas. A habilitação para ser um ‘avaliador em modalidade virtual’ será concedida a quem completar todas as atividades disponibilizadas no curso; a partir de então o certificado de participação poderá ser emitido.


A apresentação do Guia de Boas Práticas


O Guia de Boas Práticas é um documento direcionado tanto aos avaliadores quanto às IES. Assim preferiram construí-lo para “criar um terreno comum de expectativas sobre as condutas a serem seguidas pelos diferentes atores envolvidos na avaliação externa”.


O material apresenta as principais mudanças que o novo formato de avaliação traz, os aspectos que permanecem inalterados e as boas práticas a serem adotadas durante o processo de avaliação externa virtual, de modo a otimizar as interações nesse novo contexto.


Por exemplo: o Guia informa que, tal como no formato presencial, o contato com a IES deve ser estabelecido com antecedência mínima de 7 dias para a confirmação da agenda da visita e informes preparatórios, ocasião em que a Comissão comunica aos representantes da IES sobre a necessidade de disponibilização de documentos além dos já apensados no sistema e-MEC.


E que, em decorrência do método inovador, nos dias prévios à avaliação, a IES deve proceder aos testes nos programas de videoconferência e nos sistemas de transferência de arquivos, bem como à preparação dos canais de acesso dos participantes das atividades listadas na “agenda de visita” em pontos internos e externos à instituição.


É uma preparação do acesso remoto para o início das atividades avaliativas, sendo imprescindível que, no caso, tanto avaliadores e representantes da IES realizem testes prévios em seus equipamentos e recursos como microfones, câmeras, acesso à internet, acesso aos sistemas que serão utilizados, entre outros. É medida de suma importância para agilizar os trabalhos no dia previsto.


A propósito, a IES também deverá disponibilizar com antecedência uma lista dos participantes de todas as reuniões agendadas para que o Ponto Focal da Comissão de avaliadores possa permitir a entrada na videoconferência dos relacionados.


O Guia de Boas Práticas também menciona como devem ser feitas as abordagens nas reuniões e entrevistas e orienta quanto ao bom uso dos recursos do programa de videoconferência. Em relação à verificação da infraestrutura, a primeira providência é validar a geolocalização da IES.


Vários detalhes de como deve funcionar a visita também são expressos no documento, como, por exemplo, a forma como o responsável por transmitir o vídeo na IES deve fazê-lo, posicionando a câmera preferencialmente na altura da cabeça, com foco nos elementos físicos a serem demonstrados e percorrendo todos os cantos do ambiente sem interrupção da transmissão. É preciso apresentar as partes de interesse de maneira objetiva e focada, como se fosse o olhar do avaliador.


Idealmente, a transmissão de vídeo e áudio deve ser contínua dentro das instalações; na impossibilidade, deve-se novamente realizar a certificação de geolocalização e, no caso dos pontos a serem verificados estarem distantes de forma a prejudicar a visita com relação ao tempo, é recomendável que a equipe da IES se divida entre os pontos mais distantes. Tudo sempre precedido de novas demonstrações de geolocalização.


Após a visita remota


Terminada a visita, será finalizado o relatório de avaliação e analisado o processo de avaliação virtual. A finalização do relatório deve acontecer em até cinco dias corridos após o término da visita. Neste ponto, não houve mudança no processo e os dias serão contados a partir do dia seguinte da finalização das interações na sala virtual disponibilizada pelo INEP.


A avaliação pós visita (a análise do processo de avaliação virtual) é realizada por meio de um questionário disponibilizado no sistema e-MEC para preenchimento pelas Instituições/cursos avaliada(o)s e para a autoavaliação dos membros da comissão de avaliadores. Será um espaço para que as partes possam relatar eventuais intercorrências no transcorrer do trabalho e também para que possam relatar possibilidades de melhoria na dinâmica da avaliação virtual.


O monitoramento das informações e relatos inseridos nesse canal ficará a cargo da Coordenação-Geral de Avaliação dos Cursos de Graduação e Instituições de Ensino Superior da Diretoria de Avaliação da Educação Superior fará. O objetivo é assimilar as críticas e sugestões que possam auxiliar no aprimoramento do novo formato de avaliação.


O Guia de Boas Práticas é objetivo e apresenta orientações claras; a CGACGIES, de toda forma, informa ter produzido outros materiais para auxiliar as IES e avaliadores neste momento e apresenta-se disponível para maiores esclarecimentos via link ou mesmo telefone. Os dados constam do Guia, que pode ser acessado aqui.


Gostou deste texto? Faça parte de nossa lista de e-mail para receber regularmente materiais como este. Fazendo seu cadastro você também pode receber mais informações sobre nossos cursos, que oferecem informações atualizadas e metodologias adaptadas aos participantes.


Temos cursos regulares, já consagrados, dos quais já participaram mais de 800 profissionais das IES. Também modelamos cursos in company sobre temas gerais relacionados ao Direito da Educação Superior, ou mais específicos. Conheça nossas opções e participe de nossos eventos.