Reabertura das escolas: entre a necessidade e o medo

Atualizado: Nov 6

De acordo com a World Health Organization, a maioria dos governos de todo o mundo fecharam as instituições educacionais na tentativa de conter a pandemia da COVID-19 e essa paralização provocou impacto em mais de 70% da população estudantil do mundo.

UNESCO e UNICEF, agências da ONU voltadas para a educação e defesa dos direitos das crianças, respectivamente, já definiram, desde abril desse ano, que o fechamento de escolas em todo o mundo apresenta um risco sem precedentes para a educação, a proteção e o bem-estar infantil.

À época ainda não havia evidências suficientes para verificar o efeito da suspensão das aulas no risco de transmissão da doença, mas já se conheciam os efeitos adversos da medida sobre a segurança, o bem-estar e a aprendizagem das crianças. Infelizmente, são bem documentadas as graves consequências de longo prazo para as economias e sociedades, notadamente o aumento das desigualdades.


De acordo com a UNICEF, quanto mais tempo as crianças, principalmente as mais vulneráveis socialmente, permanecerem fora da escola, menor será a probabilidade de elas retornarem. Estar fora das salas de aula, de acordo com o documento apresentado pela agência internacional, também aumenta o risco de gravidez na adolescência, exploração sexual, casamento infantil e violência, entre outras ameaças. O fechamento prolongado também interrompe serviços essenciais da escola como vacinação, merenda, apoio à saúde mental e psicossocial, podendo causar ainda estresse e ansiedade devido à falta de interação com os colegas e à interrupção das rotinas.

A suspensão das aulas presenciais foi medida imprescindível de prevenção contra o espalhamento da doença, comprometida na essência com a saúde dos estudantes.


A triste constatação é a de que não há decisão desse porte sem algum prejuízo e por ora a sociedade enfrenta o desafio de retomar aulas presenciais e arriscar o espalhamento do vírus ou manter escolas fechadas e lidar com as implicações sociais, econômicas e de bem-estar que isso provoca.


Não há dúvidas, enfim, de que há consequências adversas do fechamento das escolas, como algumas das citadas pela UNESCO:

  • Aprendizagem interrompida;

  • Má nutrição;

  • Confusão e estresse para professores;

  • Pais despreparados para a educação a distância em casa;

  • Desafios na criação, manutenção e melhoria do ensino a distância;

  • Lacunas no cuidado às crianças;

  • Aumento das taxas de abandono escolar;

  • Maior exposição à violência e à exploração;

  • Isolamento social;

  • Desafios para mensurar e validar a aprendizagem.

Os dados da instituição são de aproximadamente 258 milhões de alunos no mundo todo sem condições de estudar; a maioria, obviamente, em países menos desenvolvidos e desse montante há o risco de que 24 milhões abandonem definitivamente os estudos.

Às autoridades resta trabalhar promovendo e salvaguardando o direito de todas as crianças à saúde e à segurança, mas também à educação, conforme estabelecido na Convenção sobre os Direitos da Criança.


“Quando e como reabrir as escolas é, hoje, uma das decisões mais difíceis e sensíveis das agendas políticas. É seguro reabrir as escolas, ou existe o risco de reativar os contágios? Quais são as consequências para a saúde mental e para o desenvolvimento social das crianças? Os estudantes envolvidos no ensino a distância estão realmente aprendendo? E, quando chegar a hora, como as escolas garantirão o retorno dos estudantes, e como elas ajudarão aqueles que ficaram para trás durante o período de fechamento?” (Reabrir as escolas: quando, onde e como?)

Marco de ação e recomendações para a reabertura de escolas


Se a reabertura das escolas é desejada, reproduzindo o título do texto apresentado no site da UNESCO, quando, onde e como fazê-lo? As agências internacionais recomendam alguns critérios e alertam que a redução de casos e mortes pela Covid-19 não pode ser o único indicador para retorno das atividades nos países.

Além de o retorno ser planejado em 03 momentos distintos, ou seja, preparação, início das atividades com monitoramento e acompanhamento com possibilidades de fechamento de grupos, turnos ou da escola, alguns critérios devem ser reforçados para o retorno, critérios esses que já foram colocados em documentos da Ensp/Fiocruz:


  • A transmissão da doença deve estar controlada e o município deve ter disponibilidade de pelo menos 30% de leitos disponíveis, com diminuição constante do número de hospitalizações e internações nas últimas duas semanas, além de redução do número de mortes pelo menos nas últimas três semanas;

  • Um rígido protocolo deve ser adotado com medidas sanitárias, higienização e garantia de distanciamento entre as pessoas. Deve ser exigido uso de máscaras para todos os trabalhadores, profissionais da educação e alunos (dos 2 a 10 anos);

  • O transporte público e escolar deve ser reorganizado para garantir o distanciamento social;

  • O risco de importação de doença deve ser controlado;

  • Estudantes especiais devem ser amparados;

  • Professores e suas organizações representativas devem ser incluídos nas discussões sobre o retorno à escola e questões relacionadas à reorganização da sala de aula, por exemplo;

  • Trabalhadores da educação e professores acima de 60 anos ou com comorbidades no isolamento social devem ser mantidos em isolamento social.

As recomendações incluem garantir melhores condições de trabalho para toda a comunidade escolar: é importante que os gestores não adotem práticas que possam prejudicar a atividade didática e a qualidade da educação, como aumentar as horas de ensino ou recrutar professores não capacitados.


Vários órgãos e instituições, enfim, governamentais ou não, por todo o mundo, publicaram protocolos e marcos de ação para a reabertura das escolas.


Confira alguns deles:


Manual sobre biossegurança para reabertura de escolas da Fiocruz


Cartilha/protocolo de biossegurança do MEC/BR;


Portaria conjunta do Ministério da Economia e Ministério da Saúde/Br;


Marco de ação e recomendações da UNESCO;


Protocolo de biossegurança da UFMG;


Protocolo dos Sindicatos das Mantenedoras de Estabelecimentos de Ensino Superior – RJ/SP;

Cartilha PUC/Minas para retorno das aulas presenciais;

Compilado traduzido de protocolos escolares dos Estados Unidos, Dinamarca, França, Nova Zelândia e China, feito pela consultoria Vozes da Educação;

Protocolo do CDC americano;

A retomada é heterogênea no país


Passados mais de 5 meses do fechamento das escolas, presenciamos situações heterogêneas no país. Uma decisão judicial na terça-feira, dia 04 de agosto, permitiu o retorno às atividades presenciais em unidades particulares na cidade de Brasília/DF. As instituições de ensino, todavia, ainda não abriram as portas. Existe uma instabilidade judicial sobre o retorno das aulas e notadamente incerteza para donos de escolas e pais.


No caso de Pernambuco o retorno às salas de aula ocorrerá a partir de 17 de agosto e será optativa por parte dos pais e estudantes. As atividades presenciais poderão ser mescladas com atividades à distância. De acordo com o secretário de Educação do Estado, Fred Amâncio, os índices de contágio do coronavírus permanecem em queda, indicando que o Estado tem capacidade de dar esse passo. 

São Paulo/SP anuncia testes com alunos da rede municipal para decidir a volta às aulas: a prefeitura realizará testes sorológicos em 6 mil estudantes e a decisão final sobre o retorno das aulas presenciais será apresentada após o dia 20 de agosto.


O uso de testes sorológicos é realmente o mais indicado para auxiliar a identificar grupos ou populações que já tiveram contato com o vírus, auxiliando o gestor de saúde a avaliar a população ou grupo de risco para adotar as medidas de controle. No caso da cidade de São Paulo, os dados dos testes – realizados em alunos sorteados - constarão de pesquisa para medir a extensão da imunidade nas crianças na rede municipal de ensino.

O governador de São Paulo também já havia anunciado no final do mês de junho que a retomada de aulas presenciais em todos os níveis de ensino das redes pública e particular estaria previsto para o dia 08 de setembro, em fases. No dia 07 de agosto, contudo, adiou a previsão para 07 de outubro, justamente por não terem sido cumpridas as condições impostas para o retorno.


Nos termos da gestão estadual, a expectativa inicial é de que as salas recebam apenas 35% dos alunos, o que deve ser feito via revezamento de estudantes durante a semana. O governo anunciou que seguirá rígidos protocolos de segurança e que nenhuma decisão será tomada sem debates prévios com o Comitê de Saúde do estado; isso para garantir prevenção e segurança a alunos, professores e funcionários das redes pública e privada de ensino.


É bom ressaltar que esse cronograma de reabertura das escolas já estava previsto no chamado Plano São Paulo e a reabertura das escolas só deve acontecer se todas as regiões do estado permanecerem na etapa amarela por 28 dias consecutivos, o que significaria uma estabilização consolidada e situação de segurança.


Posteriormente, caso ao menos 10 dos 17 Departamentos Regionais de Saúde do Estado permanecerem por 14 dias consecutivos na fase verde, serão 70% dos alunos de volta às escolas.


A totalidade dos alunos em sala de aula concomitantemente só será admita quando ao menos 13 dos 17 Departamentos Regionais de Saúde estejam por outros 14 dias na fase verde e se uma região regredir de fase a reabertura das escolas será suspensa em todas as cidades daquela área.


Escolas de idiomas, música e atividades diversas já estão autorizadas nas regiões que atingirem os indicadores de saúde exigidos para classificação na fase amarela. As escolas, segundo as autoridades, deverão obedecer a rígidos protocolos de segurança para a reabertura.


Os dados brasileiros


Infelizmente, os dados do Brasil ainda parecem indicar que a pandemia – de uma maneira geral - está fora do controle. Dados do Boletim InfoGripe da Fiocruz mostram que enquanto vários estados enfrentam o crescimento da primeira onda de novos casos semanais da Síndrome Respiratória Aguda Grave (SRAG) (situação de todos os da região Sul, além de Sergipe e Mato Grosso do Sul), outros já dão sinais do início da chamada “segunda onda”.

É o caso do Amapá, do Maranhão, do Ceará e do Rio de Janeiro. Nestes estados o número de novos casos semanais atingiu um pico, iniciou processo de queda, mas já voltou a subir. Em Alagoas, por exemplo, o número de casos voltou a crescer sem nunca ter caído.

O cenário nacional como um todo ainda não é favorável e os dados indicam manutenção do número de crescimento de novos casos semanais após leve queda observada no mês de maio.


Se o estado de São Paulo não atingir as metas definidas terá de postergar a data da volta às aulas e caso continue com o planejamento precisará estar bastante vigilante para caso necessite retroceder, como o fizeram várias escolas na França, que fecharam suas portas após uma semana de funcionamento ao detectarem novos casos entre alunos, trabalhadores e parentes.


O grande desafio


Inúmeros estudos têm sido publicados desde o início da pandemia e não existe um consenso sobre qual é o melhor caminho a seguir.


Ao mesmo tempo em que algumas pesquisas sugerem que é seguro reabrir escolas em localidades sem grandes surtos da doença - sempre mantendo medidas como distanciamento social e respeitando testes e rastreamento de contatos — outras demonstram que professores, funcionários e alunos de escolas secundárias estão em maior risco que crianças pequenas de contrair a covid-19 e que esses riscos não são diminutos.


Há vários estudos mostrando que grandes surtos da doença foram registrados em escolas e também há outros que sustentam que o fechamento das instituições provocam danos que superam os riscos enfrentados com a COVID-19, como pode ser lido na reportagem de 07 de agosto da BBC Brasil, “Coronavírus na escola: o que diz a ciência sobre os riscos da volta às aulas?”.


Resta-nos respeitar as determinações das autoridades de saúde acerca do momento da reabertura e, quando for a hora, agir com toda a cautela, crítica e observação necessárias. Se for preciso, recuar. E recomeçar para progredir.


Leia nossos outros textos sobre o tema:


Fiocruz considera prematuro retorno às atividades escolares

Fiocruz lança manual para reabertura segura das escolas


Estudantes querem ser ouvidos quando da retomada de aulas presenciais


Ensino superior: inúmeras medidas serão consideradas quando do retorno às aulas presenciais


Sindicatos de mantenedoras de estabelecimentos de ensino anunciam protocolo para retorno às aulas


O retorno do ensino universitário será híbrido

Gostou deste texto? Faça parte de nossa lista de e-mail para receber regularmente materiais como este, além de notícias e artigos de seu interesse.

Fazendo seu cadastro você também pode receber mais informações sobre nossos cursos: eles oferecem informações atualizadas e metodologias adaptadas aos participantes. Temos cursos regulares, já consagrados, dos quais já participaram mais de 800 profissionais das IES. Também modelamos cursos in company sobre temas gerais, relacionados ao Direito da Educação Superior, ou mais específicos.


Conheça nossas opções e participe de nossas eventos.

68 visualizações

+55  (31)  3241-5149

Rua Padre Marinho, 49 - Conj. 1205

Belo Horizonte - MG - 30140-040

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram