• Ana Luiza Santos e Edgar Jacobs

É hora do inadiável debate sobre a volta às aulas presenciais

Ontem, dia 21 de setembro, foi dia de manifestações em Belo Horizonte. Um grupo dos trabalhadores da Educação se reuniu contra o retorno das atividades educativas dentro dos estabelecimentos de ensino, fazendo uma carreata até a Praça da Estação. Outro grupo se reuniu na Praça da Liberdade e pediu às autoridades públicas a volta das aulas presenciais.

Ainda não existe uma previsão oficial para o retorno das atividades em 2020. As autoridades de saúde sequer cogitam a opção, mas o anúncio durante a semana do retorno das atividades do Colégio Militar de Belo Horizonte e Juiz de Fora reacendeu a discussão.

O sindicato dos professores sustenta que, ainda que a taxa média de transmissão da doença tenha desacelerado, não há controle efetivo da pandemia que assegure a saúde e a vida dos profissionais. Lado outro, alguns donos de escolas e pais que se interessam pelo retorno escolar asseguram que há como seguir rígidos protocolos de segurança e que os danos causados por tantos meses de isolamento podem ser maiores que a reabertura controlada dos espaços escolares.

Alguns pediatras dizem que a discussão é inadiável, pelo menos para verificar a possibilidade de retorno presencial em 2021. Relatam que não só o aspecto sanitário da Covid importa nesse momento, mas também a saúde psíquica das crianças e adolescentes. Também considerando que a escola, em inúmeros casos, funciona como uma proteção social para o estudante.

Como não tivemos no Brasil um debate centralizado, presenciamos decisões literalmente no varejo, muitas vezes sem nenhum critério e de forma aleatória.

Colégio Militar de Belo Horizonte e Juiz de Fora

No caso, por exemplo, do Colégio Militar, a decisão da última semana surpreendeu a todos e foi logo barrada pela Justiça Federal. As aulas recomeçariam hoje, dia 21 de setembro, o que não acontecerá graças ao requerimento do Sindicato dos Trabalhadores Ativos Aposentados e Pensionistas no Serviço Público Federal em Minas Gerais (SINDSEP-MG).

No caso, o magistrado federal da 3ª Vara Federal Cível de Minas Gerais deferiu tutela de urgência para manter o “regime de teletrabalho de todos os professores”, sob pena de multa diária de R$ 5 mil. A União Federal já foi intimada da decisão; lembrando que o Colégio Militar é administrado pelo Exército Brasileiro e, portanto, é vinculado ao Governo Federal.

Na decisão, o juiz federal deliberou:

“o Colégio Militar de Belo Horizonte, por mais que tenha natureza jurídica de ente federal, como estabelecimento de ensino tem suas instalações no Município de Belo Horizonte e o retorno às aulas presenciais é assunto de peculiar interesse do Município, a cujas autoridades compete a decisão sobre a oportunidade e segurança do retorno das atividades presenciais das escolas, nos seus limites territoriais”.

De fato, nenhum estabelecimento de ensino retornou às atividades presenciais em Belo Horizonte; o município está se aconselhando por meio do Comitê de Enfrentamento à Covid formado, por profissionais multidisciplinares da Universidade Federal de Minas Gerais. A capital não aderiu ao Plano Minas Consciente, do governo estadual.

O Ministério Público Federal já havia questionado a decisão da volta das atividades presenciais no colégio militar, solicitando ao diretor da instituição que apresentasse em 24 horas estudos técnicos e protocolos de segurança sanitária que sustentassem o retorno às atividades educacionais presenciais.

O Colégio Militar previa a retomada das atividades por decisão da Diretoria de Educação Preparatória e Assistencial (Depa), órgão responsável pela coordenação, controle e supervisão das atividades dos colégios militares. De acordo com a Depa, todos os colégios do sistema estariam muito bem preparados para atender às necessidades de proteção dos seus integrantes em relação à pandemia da COVID-19 e em condições de cumprir as regras sanitárias impostas.

A decisão foi embasada nas orientações dos ministérios da Defesa, da Educação e da Saúde, do comando do Exército e do Departamento de Educação e Cultura do Exército.


A Depa não se pronunciou, todavia, por quais razões decidiu a retomada ignorando todas as normas do estado e do município, corroborando com o que expusemos acima sobre a falta do debate centralizado no país e, no caso específico, sem a observância dos critérios básicos impostos pelas autoridades de saúde locais, que entendem que não é o momento seguro para a retomada.

O anúncio do retorno do Colégio Militar foi realizado por cima das determinações tanto do estado quanto do município.


Adendo: na noite de ontem, domingo, o coronel Régis Rodrigues Nunes, comandante e diretor de Ensino do Centro de Preparação de Oficiais da Reserva e do colégio, comunicou aos corpos docente e discente da instituição que apenas os professores civis seriam mantidos em teletrabalho e manteve a retomada das aulas a partir de hoje, com o cronograma modificado. Ou seja, mesmo sem outra decisão que se sobrepusesse à liminar, o Colégio abriu suas portas e recebeu boa parte de seus alunos. Leia a reportagem do Jornal O Tempo.


No caso de Juiz de Fora, na Zona da Mata mineira, o comitê de enfrentamento da doença também discordou da volta às aulas no Colégio Militar no dia de hoje, 21 de setembro. A Prefeitura publicou o decreto municipal n.º 14.099, suspendendo também as aulas presenciais em unidades da rede federal, estadual e privada de ensino. Anteriormente havia somente a recomendação para que as escolas particulares fechassem suas portas, não existindo citação específica para escolas militares ou de nível federal.

O comandante e diretor de ensino do Colégio Militar informou que respeitará o decreto municipal, mas que estuda possíveis medidas cabíveis para a situação.

No caso específico de Juiz de Fora, de acordo com a Prefeitura, houve aumento de casos confirmados de Covid-19. Na segunda semana de setembro a média móvel aumentou 70% e a taxa de transmissão está em 1,6%, não existindo segurança para a retomada presencial das atividades escolares. A cidade aderiu ao programa Minas Consciente, está seguindo os requisitos previstos para a reabertura gradual das atividades e cada decisão respeita os indicadores construídos semanalmente. A decisão do Colégio Militar, em cujas instalações estudam mais de mil alunos, teria pegado a todos de surpresa.

Colégio Militar de Brasília (CMB)

O anúncio de retomada das aulas também gerou incômodo para o corpo docente do Colégio Militar de Brasília, que se posicionou contra o plano dos gestores da escola para a volta às aulas naquela unidade. O Sindicato Nacional dos Servidores Federais de Educação Básica, Profissional e Tecnológica da Seção Sindical do CMB, representante da categoria, alega que o plano não detalha de forma satisfatória as medidas de segurança a serem seguidas.

O sindicato também contesta que o protocolo adotado não prevê testagem de estudantes, docentes e servidores e que a escola previa que se mantivessem 105 alunos em uma mesma sala de aula. Também, de acordo com o sindicato, o número de docentes em trabalho presencial não é suficiente para efetivar os planos de retorno dos alunos ao colégio.


Enfim, embora exista um acordo entre os estabelecimentos particulares do Distrito Federal de que as séries de ensino fundamental e médio sejam retomadas apenas na segunda metade de outubro, a decisão foi de que as aulas do Colégio Militar de Brasília comecem hoje, dia 21 de setembro.

A retomada

A questão de saúde pública é prioritária e não podemos ignorar que milhões de crianças no país vivem em companhia de idosos e de pessoas do grupo de risco. Milhares de professores também são do grupo de risco e a volta às aulas faz com que um número imenso de pessoas volte à circulação nas cidades.

Também sabemos do sofrimento da criança e do adolescente após tantos meses de paralização escolar - fato inédito na história - e que esperar a tão sonhada vacina não deve ser o fator determinante para o retorno completo das atividades.

Enfim, nosso país é vasto e sabemos que ainda não é o momento da retomada de aulas presencias na grande maioria dos municípios. A hora é de uma inadiável discussão a respeito do tema, com a participação de toda a sociedade e inevitavelmente sustentada em fatos científicos.

Gostou deste texto? Faça parte de nossa lista de e-mail para receber regularmente materiais como este, além de notícias e artigos de seu interesse.


Fazendo seu cadastro você também pode receber mais informações sobre nossos cursos: eles oferecem informações atualizadas e metodologias adaptadas aos participantes. Temos cursos regulares, já consagrados, dos quais já participaram mais de 800 profissionais das IES. Também modelamos cursos in company sobre temas gerais, relacionados ao Direito da Educação Superior, ou mais específicos.


Conheça nossas opções e participe de nossas eventos.

58 visualizações

+55  (31)  3241-5149

Rua Padre Marinho, 49 - Conj. 1205

Belo Horizonte - MG - 30140-040

  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram