Um ano de ensino remoto: o que aprendemos até agora

Vivemos um último ano sem precedentes na história e ainda não sabemos ao certo como serão os próximos meses. Apesar dos esforços das Instituições de Ensino em reabrir seus espaços e mantê-los abertos, acolhendo alunos e professores, ainda são complexos os debates sobre as aulas presenciais e o ensino remoto ainda faz parte da realidade de muitas famílias.


O que já podemos extrair da experiência vivida e que caminhos ainda precisamos trilhar para que as experiências na educação sejam aprimoradas?


Inicialmente, como tem sido amplamente divulgado pela sociedade civil envolvida na educação e pela imprensa, é preciso fazer referência ao fato de que houve uma ineficiência ímpar do poder público em verificar se os alunos estavam ou não acompanhando a aulas, se possuíam os mínimos dispositivos tecnológicos para tal, bem como em fomentar melhorias na conectividade da população mais pobre.


De acordo com a pesquisa realizada pelo Departamento de Ciência Política da Universidade de São Paulo (USP) e o Centro de Aprendizagem em Avaliação e Resultados da Fundação Getúlio Vargas (FGV), houve demora na apresentação de um plano depois do fechamento das escolas. Em média, as capitais levaram 43 dias para apresentar providências, e os Estados, 34.


Também não houve, de acordo com a pesquisa, oferta suficiente de estratégias de interação com os professores, elemento crucial para políticas de ensino remoto: as interações permitem que sejam consideradas as necessidades e dificuldades específicas de cada aluno, sobretudo em um contexto de elevadas taxas de abandono escolar.


Fato que quase todos os Estados decidiram pela transmissão via internet, mas apenas 15% deles distribuíram dispositivos e menos de 10% subsidiaram o acesso à internet.


Leia:


A evasão escolar causada pela pandemia

Indicação de máscaras PFF2 em Instituições de Ensino reflete avanço dos protocolos de biossegurança


Os pesquisadores se dizem chocados por, passado um ano de pandemia, ainda não existir um plano B entre os gestores, pois a realidade nos mostra que fechamentos e aberturas ainda serão uma realidade.


Para Luiz Cantarelli, um dos professores envolvidos na pesquisa mencionada, outros problemas graves foram a falta de coordenação nacional por parte do Ministério da Educação e os cortes orçamentários substanciais na área, que dificultam investimentos em acesso ao ensino remoto em 2021. Por questões orçamentárias, por exemplo, o Presidente da República vetou projeto de lei aprovado no Congresso que previa investimento em acesso gratuito à internet para alunos e professores da rede pública.


O ensino remoto


Outra descoberta neste último ano foi a capilaridade do WhatsUpp. Diante da falta de dispositivos mais adequados, as famílias se comunicaram com a escola e com os professores por meio deste aplicativo. O celular, muitas vezes compartilhado por vários membros da família, inclusive, foi uma ferramenta utilizada em larga escala.


Dadas as atuais circunstâncias de crise de saúde pública, a preocupação é como fornecer a melhor instrução remota possível. Vários estudos demonstraram que só oferecer computador ou conectividade ou distribuir apostilas pode não ser suficiente para um engajamento produtivo num momento como esse. A plataforma não pode ser de difícil utilização e, por meio de informações simples, os pais devem ser estimulados a acompanhar o progresso dos filhos. Além disso, é necessário que exista diálogo entre professores e famílias.


Quanto às aulas remotas em si, a pesquisa apresentada no Metro Atlanta Policy Lab for Education salienta que os alunos se beneficiam de uma interface direta e simples. As melhores práticas incluem:


  • fornecimento de explicações didáticas simples e claras,

  • estímulo de interações entre colegas e professores,

  • uso de jogos e simulações para ajudar a manter os alunos envolvidos, e

  • ter certeza de que o suporte material e tecnológico está disponível.


As recomendações são para que os professores foquem no básico ao adaptar o currículo. Oferecer muito conteúdo novo de uma só vez, por exemplo, não é uma boa prática e antes de fazê-lo o professor deve se certificar de que os alunos possuem as habilidades prévias.


Dar um retorno aos alunos sobre as atividades feitas à distância também é muito importante e os estudos mostram que isto motiva e melhora o desempenho dos alunos.


Autonomia dos estudantes


Ainda em 2020, quando estávamos há ‘apenas’ 06 meses enfrentando a pandemia, já estava claro que nunca havia sido tão importante saber quando e como estudar.


Hoje sabemos com mais clareza que o ensino remoto se beneficia do estudante como um sujeito ativo, com capacidade de controle sobre seu processo cognitivo e motivacional, conseguindo captar, organizar e transformar as informações adquiridas ao longo do tempo.


Esse processo, o chamado aprendizado autorregulado, relatado por Philippe Perrenoud como as “capacidades do sujeito para gerir ele próprio seus projetos, seus progressos, suas estratégias diante das tarefas e obstáculos”,

favorece uma autonomia no aprender, sendo extremamente benéfico para o aluno, que também conta com fatores pessoais, como idade e maturidade, bem como sociais e financeiros para atingir esse objetivo.


Leia:


Há um legado da pandemia para a educação?

O papel ativo do aluno na construção do aprendizado


Efeitos da pandemia no dia a dia


Reportagem da BBC News Brasil aponta estudo da Universidade Federal de Minas Gerais com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) com 9,4 mil adolescentes brasileiros, ouvidos entre junho e setembro de 2020: os resultados da pesquisa apontam que 59% dos estudantes diziam ter falta de concentração e 47,8% afirmavam estar entendendo pouco das aulas à distância.


Em dezembro, quando o Instituto Península entrevistou 2,9 mil professores do país, 60% disseram que os alunos remotos não apresentavam evolução no aprendizado. Quase a totalidade destes professores apostava no aumento da desigualdade educacional entre os alunos mais carentes.


A mesma reportagem cita um terceiro estudo, da Universidade Federal do Rio de Janeiro e a Fundação Maria Cecília Souto Vidigal, que verificou sinais de que crianças de 4 e 5 anos estavam com mais dificuldades de expressão oral e corporal. As mais afetadas são sempre as mais vulneráveis, que têm menos assessoria dentro de casa. Crianças que podem pintar, desenhar, recortar e ouvir histórias de seus pais ou cuidadores se beneficiam imensamente.


Os professores


Os professores trabalharam e tem trabalhado em condições muito adversas nesta pandemia e os impactos são mundiais. Muitos estão neste período gerenciando a própria família, com os próprios filhos em ensino remoto e com aumento no volume de trabalho do aprendizado não presencial.


Muitos foram os relatos de ansiedade, perda de sono, ruptura no relacionamento, bem como aumento do uso de álcool. É que a pandemia levou a um grande acréscimo na carga de trabalho e, embora a grande maioria das instituições de ensino tenham respondido às situações com agilidade e profissionalismo, as circunstâncias causaram um efeito prejudicial na saúde física e mental dos professores.


Levantamento do Instituto Tim, por exemplo, mostrou que 58% dos docentes não conseguiram dar aulas sem barulhos e interrupções em casa. Problemas relacionados ao sono atingiram 78% dos profissionais. A mesma pesquisa também atestou o que o senso comum dita: professores pardos e negros foram mais impactados pela pandemia. Entre as pessoas negras, 76% mencionaram dificuldades de adaptação às aulas on-line, 64% não conseguiram trabalhar bem de casa e 83% tiveram problemas de sono durante a pandemia. O contexto familiar transpareceu as diferenças neste aspecto: 79% dos professores negros afirmaram que suas famílias perderam parte da renda durante a crise sanitária, contra 61% dos profissionais brancos.


Leia:


Educação pré e pós Covid-19

O que aprendemos?


Esperança


A pandemia Covid-19 oferece uma oportunidade para repensarmos o que realmente importa na educação. Mesmo antes da crise de saúde, alguns sistemas escolares já estavam desconectados das realidades e necessidades dos alunos.


Mesmo nas economias desenvolvidas (quiçá nas em desenvolvimento) os sistemas de ensino ainda dependem de formas passivas de aprendizado, sempre focando na instrução e na memorização. Poucas são os sistemas com métodos interativos que promovem o pensamento crítico e individual necessário na economia atual impulsionada pela inovação.

Segregação socioeconômica, alta evasão escolar, pouco sucesso no aprendizado, professores pouco capacitados e salas de aula muito cheias também são questões que atingem grande parte dos países.